Quando o bebê sofre com o refluxo

mae e bebe1
Alergia ao leite?
10 de maio de 2016
cadeirinha 1a
Salvando a vida das crianças
10 de maio de 2016
picture of happy mother with baby over white

picture of happy mother with baby over white

Por Denise Milbradt

O bebê não para de chorar. Tudo o que ingere, volta. O desconforto é geral, sem falar na perda de peso, que acaba sendo quase inevitável. Prestar atenção ao comportamento do seu filho é essencial para a identificação do refluxo, que se caracteriza pela passagem involuntária de conteúdo do estômago para o esôfago, podendo ter como destino final a boca ou nariz, no caso dos bebês. Os sintomas variam desde vários episódios de regurgitação durante o dia, dor ou cólica, tosse seguido de engasgo, crises de chiado no peito, otites. Casos mais graves podem evoluir para uma pneumonia, ou ainda prejuízos no ganho de peso e estatura para a faixa etária do pequeno.

De acordo com a pediatra Caroline Moraes Oliveira, os bebês são os mais acometidos devido à imaturidade do trato gastrointestinal, que ajudam a impedir o retorno dos alimentos do estômago de volta para o esôfago. Dessa forma, existe uma incidência maior ainda em bebês prematuros. Além dessa causa, segundo a médica existem outras como malformações do trato digestivo que podem ser causa desses episódios de regurgitação. “O refluxo tende a aparecer com maior intensidade por volta dos quatro meses e tende a melhorar até o primeiro ano de vida”, detalha.

Na presença de quaisquer dos sintomas, os pais devem procurar a ajuda de um pediatra ou mesmo um gastroenterologista a fim de avaliar o grau do distúrbio, determinar a causa e propor tratamento. Para evitar os vômitos e as regurgitações, Caroline sugere aumentar o intervalo entre as refeições da criança, posicioná-la de forma mais vertical possível no momento da amamentação ou mesmo enquanto ingere alimentos sólidos. Ela também recomenda evitar alimentos ácidos ou gordurosos e não deitar a criança logo após ter se alimentado. “O desmame e a introdução de alimentos complementares precocemente também favorece os vômitos e, em casos de déficit de crescimento, pode acarretar sérios prejuízos para a vida da criança”, pondera a especialista.

Quando ir no pediatra

Deve-se consultar o pediatra para iniciar o tratamento do refluxo quando o bebê apresenta algum destes sintomas:

• Irritabilidade frequente durante ou após as refeições;

• Vômitos em grande quantidade até 2 horas após amamentar;

• Recusa para comer;

• Atraso no desenvolvimento ou dificuldade para engordar.

Cuidados para evitar o refluxo em bebês

• Amamentar o bebê na posição vertical, pois permite que o leite fique no estômago;

• Manter o bebê com a boca bem preenchida com o mamilo ou com o bico da mamadeira, para evitar que engula muito ar;

• Dar refeições frequentes durante o dia, mas em pequenas quantidades para não encher muito o estômago;

• Evitar balançar o bebê até 2 horas após amamentar, mesmo que no bebê conforto, para que o conteúdo do estômago não suba para a boca;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *