Os teus, os meus e os nossos

mother-nursing-baby
O impedimento de amamentar – anseios e sentimentos
24 de maio de 2016
Stem cell research in the PCR strip
O armazenamento de células-troncos
24 de maio de 2016
capa 1

Frank tem 8 filhos e se reencontra com Helen que tem 10 filhos e juntos tentam constituir uma única família. O enredo do filme Os Teus, os Meus e os Nossos, de 2005, é uma realidade atual, cada vez mais comum em muitas famílias brasileiras. As super famílias reúnem histórias peculiares, mas que tem objetivos em comum.  Para o psicólogo Felipe Pereira de Assis (CRP 07/23482) essa realidade cada vez mais comum é uma consequência da evolução histórica a respeito da livre escolha. “Percebo que atualmente os casamentos estão mais tardios e as separações estão mais precoces. Antigamente, a mulher era obrigada a casar cedo, por uma questão social. Com o passar do tempo essa realidade foi sendo questionada e, atualmente, estamos passando uma era onde as relações estão mais fluidas”, afirma.

O pediatra Roger Miguel Dall’Agnese e a enfermeira Daisi Dall’Agnese são um exemplo de uma rotina cada vez mais comum. Juntos eles tem sete filhos: Mariana (16- que não está na foto), Dalila Gabrielly (13), Micaela (11), Pietra (8), Joaquim (8), Gustavo (6) e Sara (2). Na residência do casal não se fala dos teus ou dos meus, todos são nossos, apesar da pequena Sara de dois anos ser a única da união dos dois. Casados há cinco anos, Roger e Daisi sempre pautaram sua vida em busca da harmonia e felicidade das crianças. A casa localizada em um condomínio foi uma escolha baseada em proporcionar liberdade para a pequena turma. Daisi garante que é preciso ter uma rotina e organização das tarefas. Sair de férias é sempre o mais complicado já que é preciso usar dois carros, mas que isso nunca foi impeditivo para o divertimento. Aliás, uma ida ao cinema é motivo de muita conversa e consenso.

Respeitar a individualidade é um aspecto importante para que cada um sinta-se valorizado e tenha seu espaço na família. Sempre terá o mais retraído, o divertido, o amigo, a amorosa e é justamente cada diferença que proporciona uma convivência única para as crianças. “Um aprende com o outro. Durante as tarefas os mais velhos sempre ajudam. Cada um tem sua liberdade aprendendo a conviver com o outro”, lembra Daisi.

Para Roger e Daisi o importante é passar valores sólidos para as crianças. Um deles é justamente as doutrinas da igreja católica. Todos os finais de semana frequentam a Igreja com as crianças. Cada um na sua idade fez ou fará a primeira comunhão e a crisma. “A religiosidade é importante para a vida de qualquer pessoa. Para nós ela tem sido um momento de gratidão e respeito a Deus”, lembra Daisi.

Por causarem um verdadeiro frisson por onde passam acabam, muitas vezes, chamando a atenção. Roger lembra que os julgamentos de fora sempre acabam chegando, mas que eles não têm espaço. Daisi salienta que a igualdade é a regra de ouro na casa. “Apesar de nem todos morarem em tempo integral na casa, graças a Deus todos estão aqui por que escolheram. Isso para nós é o maior presente”, garante. São muitas personalidades e muitos personagens, porém são situações dentro de uma  normalidade, para uma “Grande” e por que não dizer “Complexa” família.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que cerca de 140 mil casamentos são cancelados. Entre os principais motivos para esse aumento estão as transformações socioeconômicas da sociedade e das famílias e nas mudanças no Código Civil. As pessoas buscam mais a sua felicidade e construir uma nova família é uma solução comum nos dias de hoje. O número de novas uniões vem crescendo significativamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *