Nadar também ajuda a desenvolver equilíbrio

Claus e Vanessa - Olivia - 7 dias (53)
Newborn: uma nova tendência
23 de maio de 2016
viagem bebe 1a
Viajando com bebês
23 de maio de 2016
natação

Por Rita Trindade

A criança, principalmente em seus primeiros anos de vida, passa por um processo intenso de desenvolvimento e maturação. Até os 05 anos de idade, ela tem a capacidade de ter 90% do seu cérebro preparado para o futuro. Na verdade, todos esses desenvolvimentos podem ser auxiliados e estimulados com a natação.

O bebê já é adaptado ao meio líquido desde a gestação, ele é capaz de executar diversos movimentos natatórios, demostrando uma série de reflexos, comuns na primeira infância. Tudo através de estímulos estereoceptivos, ou seja, atividades que busquem facilitar o desenvolvimento dos órgãos sensoriais das crianças, como o tato, a audição, o olfato, e a visão.

Além dos bebês se divertirem na água e trabalharem o sistema respiratório, eles também aprendem a ter um melhor equilíbrio e desenvolvimento motor. Essa é a conclusão de um estudo da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. Os pesquisadores acompanharam 19 bebês nadadores dos 2 aos 7 meses. As aulas envolviam atividades como ajudar a criança a dar cambalhotas sobre um tapete flutuante, mergulhar e equilibrar-se na mão do pai ou da mãe para pegar algum objeto. Aos 5 anos, essas mesmas crianças passaram por um novo teste. A equipe de pesquisadores fez com que os pequenos andassem na ponta dos pés, balançassem apenas um pé, pulassem corda, rolassem uma bola para o gol. O resultado foi bem claro, de acordo com os pesquisadores: aqueles que praticaram natação saíram-se bem melhor na avaliação.

Segundo a professora de Educação Física, Dulce Mara Rodrigues, especialista em natação para bebês e que trabalha com a Metodologia Gustavo Borges, a natação estimula o sono e o apetite, pois os exercícios de balanço e equilíbrio executados com os rituais de músicas cantadas e brincadeiras lúdicas relaxam o bebê, estimulando o seu apetite e fazendo com que a criança durma melhor. “Além disso, a natação fortalece o sistema cardiorrespiratório, pois os exercícios de mergulhos e deslizes trabalham a respiração em baixo da água aumentando a capacidade cardiorrespiratória, desta forma, auxiliando tratamentos e prevenindo doenças respiratórias. A natação também trabalha no desenvolvimento psicomotor, melhora a coordenação, o equilíbrio e o conhecimento do espaço. Ajuda ainda o bebê a engatinhar, sentar ou andar mais facilmente”, explica a professora.

Um dos momentos mais importantes na natação é o exercício constante que se faz com os pais. É a inteligência emocional que através de atividades específicas, faz uma aproximação entre todos os bebês, seus familiares e o educador. Esse contato é de extrema importância para o desenvolvimento afetivo. “A participação dos pais ou acompanhantes é fundamental, pois interagem entre eles, favorecendo o desenvolvimento e a socialização, transmitindo segurança ao bebê ao mesmo tempo em que reforçam os seus vínculos e repassam também esse vinculo ao professor, para que seja possível, em alguns momentos, aplicar técnicas apenas com o bebê”, esclarece Dulce.

Sobre a idade indicada para começar a natação, a professora Dulce conta que já trabalhou com bebês de até três e quatro meses, porém cada criança é um caso, sempre é importante conversar com o pediatra e ver o que ele recomenda. “Bebês a partir de seis meses já terão tomado parte das principais vacinas, não se deve iniciar natação com menos de três meses”, previne.

Se você já está imaginando seu bebê dando cambalhotas na água, saiba que o mais indicado é esperar ele completar seis meses. Nessa fase, o conduto auditivo (parte do ouvido), que até então era reto, forma uma curvatura, dificultando a entrada da água e reduzindo as chances de infecção. Os ambientes devem ser preferencialmente climatizados piscina, corredor e vestiário têm de ter a mesma temperatura, em torno de 32º. Outro cuidado é com o cloro. O ideal é limitar o tempo de exposição da criança à piscina e certificar-se de que a escola utiliza o mínimo de cloro possível na água. Não há contraindicação fisiológica, o que deve se levar em conta é o ambiente, a piscina deve ser limpa e quentinha e o professor especializado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *