Como manter o equilíbrio do peso na gravidez

Stem cell research in the PCR strip
O armazenamento de células-troncos
24 de maio de 2016
papinhas
Dicas para produção de papinhas
24 de maio de 2016
peso_gestacao_unanapilates.com.br

O  aumento de peso durante a gravidez é natural e, na maior parte das vezes, desejável. O fato de engordar de forma gradual e moderada é uma prova de que o seu corpo está fornecendo nutrientes que o bebê necessita para crescer saudável. No entanto, a gestação não é desculpa para comer por dois. É muito importante cuidar da alimentação, praticar exercícios sob orientação profissional e evitar súbitas oscilações na balança.

Segundo a nutricionista Materno Infantil, Ana Carolina Terrazan, existem diversos fatores que determinam o ganho de peso ideal. “Devemos levar em consideração as necessidades individualizadas, como o histórico de saúde, rotina de vida e alimentação. Além desses fatores, é importante observar o estado nutricional prévio da gestante, com base no Índice de Massa Corporal (IMC)”. A especialista explica que o Ministério da Saúde e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) sugerem as seguintes definições:

 

IMC antes da gestação Ganho de peso indicado

Abaixo de 18,5                 12,5kg – 18kg

Entre 18,5 e 24,9              11,5kg – 16kg

Entre 24,9 a 30                  7kg – 11,5kg

Acima de 30                       5kg – 9kg

 

Gestantes com sobrepeso ou obesas que engordam além do esperado no segundo trimestre têm mais de 90% de chance de acumular quilos em excesso até o final da gravidez. Em compensação, mulheres dentro da faixa de peso ideal que se mantêm nos limites estimados durante o mesmo período têm 77% de chance de engordar apenas o necessário até a hora do parto. Esses foram os resultados de uma pesquisa realizada pela Universidade de Munique, na Alemanha, com 7.962 mulheres.

“O acompanhamento com nutricionista pode auxiliar não apenas o monitoramento do ganho de peso, mas também garantir o aporte adequado de nutrientes. Para as mulheres que já mantêm uma alimentação organizada, sugiro ao menos uma conversa com um especialista em nutrição materno infantil para identificar alimentos cujo consumo pode ser potencializado e aqueles que devem ser diminuídos. Já para aquelas gestantes que não seguem uma dieta equilibrada e possuem fatores de risco como obesidade/sobrepeso, hipertensão, diabetes, entre outros, o ideal é um acompanhamento mais frequente”, reforça Ana, lembrando que a prática de exercícios deve ter liberação do obstetra e supervisão de um profissional habilitado que fará a indicação de uma atividade adequada.

 

CUIDE-SE!

– Priorize alimentos in natura ou pouco processados

– Uma alimentação variada, rica em frutas, verduras, feijões, cereais e tubérculos, peixes, carnes e ovos, leites vegetais e leite de vaca vai garantir nutrientes para a futura mamãe

EVITE: salgadinhos, biscoitos recheados, doces em excesso, macarrão instantâneo, refresco instantâneo, temperos prontos, refrigerantes, presunto, blanquet ou peito de peru, adoçantes

 

CUIDADO COM A QUANTIDADE: chás, chimarrão e café, pois são bebidas estimulantes e o efeito vai chegar até o bebê pelo sangue da mãe

 

Ana Carolina Terrazzan

CRN2 8330

Nutricionista Materno Infantil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *