Como driblar o ciúmes do filho mais velho?

estrias 3
Grávida e com estrias?
23 de maio de 2016
Claus e Vanessa - Olivia - 7 dias (53)
Newborn: uma nova tendência
23 de maio de 2016
mãe 2

Por Denise Milbradt

Dias atrás ele imperava como o centro das atenções em casa. Hoje, seu filho descobre que terá um irmão. Uma experiência nova repleta de emoções até então desconhecidas e …ciúmes. As atitudes da criança mudam. Dias atrás ele imperava como o centro das atenções em casa. Hoje, seu filho descobre que terá um irmão. Uma experiência nova repleta de emoções até então desconhecidas e …ciúmes. As atitudes da criança mudam de um dia para outro, são crises de irritabilidade, pirraças em demasia e até comportamentos regressivos, típicos de idades mais precoces (os xixis na cama, voltar a pedir chupeta, querer andar no colo, dormir com os pais…). Respire fundo e não esqueça que uma dose de compreensão e paciência poderá ser determinante para um final feliz.

A psicóloga Lisandra Campos explica que as reações do filho mais velho variam de criança para criança e há casos de que chegam a pedir aos pais um irmãozinho. Mas, via de regra, nem sempre se trata de uma situação assim tão tranquila, porém não há necessidade dos pais ficarem se preocupando demais, imaginando que seu filho mais velho vai estragar a alegria da chegada do bebê na família ou que ele jamais irá sentir amor pelo novo integrante. “Não espere também que ele sinta a mesma felicidade que você. Ter bebê é coisa de adultos. As crianças são apenas obrigadas a aguentar e não, necessariamente, a gostar da nova situação (e geralmente elas não gostam). Quando for dar a notícia, recomendo que comece dizendo que dentro da barriga da mamãe está crescendo uma nova vida e que virá para fazer companhia a ela”, explica.

A criança precisa de reafirmação dos sentimentos que os pais têm por ela o tempo todo para sentir-se segura e perceber que não será deixada de lado, segundo Lisandra. É preciso reforçar que um novo bebê não será para substituir o lugar dele, mas sim completar a família. Quando sentir que não consegue driblar as dificuldades de compreensão desse novo momento com o seu filho, a psicóloga aconselha a conversar com o pediatra do seu filho ou procurar a orientação de um psicólogo, preferencialmente um especialista em psicoterapia infantil. “Esses dois profissionais com certeza serão seus melhores aliados neste período”, conta.

Desde o início da notícia da vinda de um irmão mais novo procure incluir o seu filho mais velho na decoração do quarto, nas compras para o bebê. Ao inseri-lo na preparação e no crescimento da barriga poderá ajudar no desenvolvimento do sentimento de pertença, tornando a vinda do irmão como um plano conjunto de toda a família. E nesse plano são muitas as possibilidades de prepara-lo para esse momento. Lisandra sugere que seja convidada a criança para a realização de cartazes, balões e desenhos simbolizando as boas vindas ao novo integrante. “Quando voltar do hospital, por exemplo, deixe que outra pessoa carregue o bebê para que seus braços estejam livres para abraçar o mais velho. Peça a ajuda dele para pegar fraldas ou até escolher a roupinha do bebê. Ele se sentirá indispensável e importante”, frisa.

Relações sólidas com os pais e com as pessoas responsáveis por cuidar dele no dia a dia (se a criança frequentar escolinha) auxiliarão no período de ajuste à chegada do bebê. A psicóloga recomenda que sejam evitadas grandes mudanças à medida que o parto se aproxima, como retirada das fraldas. “Deixe-o por um pouco mais de tempo com a mamadeira ou a chupeta para evitar mais emoções ainda”, argumenta Lisandra Campos.

Dicas para inserir o filho mais velho na nova rotina:

-Reserve sempre um tempo especial e único para o seu filho mais velho e combine com ele quando poderão fazer apenas os dois. Mesmo que seja pouco tempo, será essencial e valorizado por ele;

-Valorize-o pela idade que tem, partilhando com ele tarefas que ele consiga fazer relacionadas com as novas rotinas do bebê, como pedir que lhe alcance uma fralda, ajudar no banho, escolher a roupa e elogie-o por ser capaz e por ser uma ajuda preciosa para si;

-Quando falar com o bebê, diga-lhe frequentemente o quanto é bom ele ter um irmão mais crescido, que ajuda tanto e poderá ensiná-lo muitas coisas;

-É importante incluí-lo e valorizá-lo, mas é preciso deixar claro também de que nem sempre ambos os irmãos terão os mesmos presentes, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *