Benefícios do pet para a criança

amamentacao1
Próteses de silicone e amamentação
23 de maio de 2016
teste lingua1
O Teste da Linguinha e a Amamentação – uma proposta de integrar duas dimensões
23 de maio de 2016
cachorro 4a

Por Rita Trindade

A chegada de um animalzinho de estimação é sempre motivo de grande alegria, principalmente para as crianças que adoram brincar e se divertir com eles. Segundo especialistas em saúde, o contato com os animais desde os primeiros meses de vida, ajuda no desenvolvimento do sistema imunológico, possibilitando à criança crescer com menor probabilidade para alergias. Quando o convívio é entre um cachorro ou gato e um bebê de alguns meses, o aprendizado é ainda maior. Por exemplo, para alcançar o animal que corre pela casa, o bebê tenta correr atrás, treinando o engatinhar e até dando os seus primeiros passos. O veterinário Breno Felipe Sanchotene Pinto, explica que os principais benefícios dessa relação pet e bebê são a sociabilização e evolução da criança. “Ela aprende a ter cuidados com os animais, além de noções de responsabilidade e coordenação. Ao fazer carinho no animal ela terá de controlar sua força, exercitando então sua coordenação motora”, explica Breno.

É imprescindível que os pais ofereçam a oportunidade da relação pet e criança para seus filhos. Para que a partir do nascimento, possam desenvolver todo o seu potencial. Na infância, a principal atividade de desenvolvimento das crianças é a brincadeira. Ao brincar estão ocorrendo estímulos físicos, emocionais, cognitivos e sociais. Os animais adoram brincar e podem ajudar a criança a crescer e a se desenvolver, oferecendo “apoio” enquanto ela atravessa as diferentes etapas de seu crescimento e desenvolvimento. Ao permitir que a criança tenha a chance de conviver com animais na sua companhia desde pequena, os pais estão proporcionando uma maneira extraordinária de experimentar o mundo físico e social, estimulando habilidades motoras e cognitivas.

Sobre os cuidados necessários com o pet, o veterinário recomenda que os pais ou responsáveis pelo animal, tenham um cuidado especial com a higienização dele. “O ideal é que o animal seja higienizado semanalmente, além dos cuidados com as vacinas e vermifugação. Dúvidas sobre as medidas sanitárias adequadas devem ser esclarecidas com um profissional da área”, declara. Dr. Breno lembra ainda que é importante avaliar a estrutura da sua casa ou apartamento. “Se for adotar um cachorro ou gatinho peça ajuda de um veterinário para que indique a melhor raça para a faixa etária das crianças. Considere inclusive a “raça” SRD (sem raça definida), muito alegres e carinhosos, eles são facilmente encontrados em feiras de adoção e estão esperando ansiosamente por um lar”, aconselha.

As raças mais companheiras e inteligentes para as crianças são: Labrador, Pastor Alemão e Border collie. Raças menos ativas e altamente mansas como Lhasa apso e Shih-tzu, são indicadas para bebês por apresentarem um comportamento totalmente dócil. Apesar das indicações de raças dóceis com conduta pacata os pais precisam ter o cuidado de não deixar bebês muitos pequenos sozinhos com os pets. É importante estar sempre em alerta. O ideal é que os pais ou responsáveis consultem um pediatra e um veterinário para auxiliá-los com as duvidas mais frequentes.

Confira algumas ações a serem tomadas pelos pais do recém-nascido:

-Aproxime o bebê do animal de forma gradual. Preferencialmente, é aconselhável evitar o contato direto nos três primeiros meses de vida.

-Mantenha a casa limpa. Os animais costumam soltar muitos pelos e, por isso, aspirador e pano úmido devem ser utilizados com frequência na casa de quem tem recém-nascidos.

-Evite que o bebê fique sozinho com o animal. Um adulto deve sempre supervisionar o bebê em contato com o mascote. Crianças muito pequenas não têm limites e podem acabar invadindo o espaço do animal e recebendo uma resposta instintiva, que pode machucar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *